Slider

Paredes solicitou estudo de impacto ambiental sobre unidade de bio resíduos a instalar em Baltar

O presidente da Câmara de Paredes, Alexandre Almeida, anunciou hoje que pediu um estudo de impacto ambiental à Ambisousa – Empresa Intermunicipal de Tratamento de Gestão de Resíduos Sólidos sobre a instalação de uma unidade de valorização orgânica de bio resíduos em Baltar.

 

Em declarações aos jornalistas, no final da reunião de câmara que decorreu hoje, o autarca avançou, ainda, que também pediu um parecer à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) sobre o assunto.

A instalação da unidade de valorização orgânica de bio resíduos recolhidos seletivamente, representa um investimento de 18 milhões de euros e está prevista instalar até 2023 na zona industrial de Parada/Baltar.

A decisão de avançar com pareceres àquelas entidades, explicou Alexandre Almeida, surgiu depois de, na segunda-feira, um grupo de populares se ter manifestado na Assembleia de Freguesia de Baltar contra a instalação da unidade industrial naquela zona do concelho.

“Apesar de não ser obrigatório, para que não restem qualquer tipo de dúvidas às pessoas de Baltar e aos paredenses, queremos que as entidades deem um parecer se a instalação dessa unidade poderá constituir algum tipo de impacto ambiental”, avançou o edil, garantindo:

“Ao mínimo impacte ambiental que cause, nós não permitiremos aquela instalação na zona industrial de Baltar/Parada”.

Alexandre Almeida indicou, ainda, que solicitou para as 21:30 de hoje, uma reunião com os contestatários da instalação da unidade de bio resíduos, que irá decorrer nas instalações da Junta de Freguesia de Baltar.

“Um investimento que se vai colocar em Paredes, que vai criar postos de trabalho, que vai permitir novos acessos à zona industrial, não pode ser objeto de aproveitamento político nesta altura, portanto quero um cabal esclarecimento da população”, concluiu Alexandre Almeida.